Saúde de qualidade: Iúna está na 2ª posição entre os municípios da região sul


Publicado por: Assessoria de Comunicação Em: Saúde No dia: 9 de fevereiro de 2022


Divulgado pelo Colegiado de Secretarias Municipais de Saúde do Espírito Santo (Cosemses) as notas dos indicadores de qualidade da assistência em saúde da atenção primária dos municípios capixabas. Iúna saiu das últimas posições no ranking estadual para a 14ª posição entre os 78 municípios do Estado e ocupa agora a 2ª posição entre os municípios da região sul nos indicadores do programa Previne Brasil. O município saltou de 1.7 para 8.34 no primeiro ano da gestão 2021/2024.

O programa Previne Brasil instituído em 2019 pelo governo federal, consiste de sete indicadores de saúde que são considerados para efeito de financiamento de parte das ações da atenção primária do SUS e refletem na prática a melhoria da qualidade da assistência em saúde de uma população. Para receber os recursos do programa, os municípios precisam alcançar notas mais altas nos seguintes indicadores: proporção de gestantes com pelo menos 6 (seis) consultas pré-natal realizadas, sendo a 1ª até a 20ª semana de gestação; proporção de gestantes com realização de exames para sífilis e HIV; proporção de gestantes que passaram por atendimento odontológico; cobertura de exame citopatológico; cobertura vacinal de poliomielite inativada e de pentavalente; percentual de pessoas hipertensas com pressão arterial aferida em cada semestre e; percentual de diabéticos com solicitação de hemoglobina glicada.

Para alcançar este resultado, desde o início do ano passado, a equipe gestora da Secretaria Municipal de Saúde traçou como meta o objetivo de atingir nota 8 até o final do primeiro ano e nota 10 ao final de 2022. O secretário Municipal de Saúde, Durval Júnior explicou sobre as ações para melhorar os indicadores. “Foram realizados diversos investimentos na atenção primária, desde a informatização de todos os consultórios e a implantação do prontuário eletrônico para que as informações pudessem ser enviadas em tempo real; também foram promovidas capacitações para os profissionais da atenção primária; contratação de agentes de saúde para cadastrar e cobrir 100% do território; abertura de novas equipes de saúde com a contratação de mais profissionais de saúde; organização dos serviços; além disso, a equipe da coordenação da atenção primária monitora constantemente os resultados, propondo intervenções e ações onde se faz necessário”, explicou Durval.

Segundo o enfermeiro Ricardo Evangelista, que trabalha com o monitoramento dos indicadores, o município optou por não contratar serviços externos de consultoria, como fizeram alguns municípios, mas sim, investiu na autoqualificação de sua equipe que se empenhou em conhecer sobre o funcionamento do programa e assim contornar as falhas ao longo do percurso. Para ele essa foi uma decisão acertada, pós aprenderam na prática e não geraram custos aos cofres públicos com a contratação de consultorias e atingiram os objetivos esperados. Ele ressalta ainda o papel importantíssimo dos profissionais médicos, enfermeiros, dentistas, técnicos de enfermagem, agentes de saúde e demais profissionais da atenção primária que se empenharam na melhoria dos indicadores.

“Esse resultado deve ser comemorado por toda a população iunense, pois traduz em número os avanços promovidos na saúde do município que é percebido pela população que utiliza os serviços”, finalizou o profissional.