Pedro Galoza
Bacharel em Teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul Mestre em Ciências da Religião pelo Mackenzie Professor de MBA para desenvolvimento de líderes.

Isolamento e Ansiedade

Colunistas - 30 de junho de 2020
Pedro Galoza

Um dos temos mais falados nos últimos meses, juntamente com COVID-19 e isolamento social, é a ansiedade.

A ansiedade é um estado psíquico natural, muito útil para nos alertar de um perigo e fazer com que nos preparemos para enfrentá-lo. Mas, quando a ansiedade passa a nos impedir de fazer coisas naturais como dormir, sentir fome ou conversar porque a cabeça está a mil por hora, calculando todas as possibilidades e perigos possíveis de uma situação imaginária, aí temos um problema, o transtorno de ansiedade generalizada.

Há quem diga que, enquanto temos a pandemia da COVID-19 impactando o Brasil, existe uma epidemia oculta crescendo, que é o transtorno de ansiedade generalizada.

Uma recente pesquisa feita pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), com 400 especialistas em 23 estados e Distrito Federal, constatou que, 89,2% dos especialistas entrevistados destacaram o agravamento de quadros psiquiátricos em seus pacientes devido à Covid-19; 67,8% dos médicos receberam pacientes que nunca haviam apresentado sintomas psiquiátricos antes, após o início da pandemia e do isolamento social; 69,3% relataram ter atendido pacientes que já haviam recebido alta médica, mas que tiveram recidiva de seus sintomas. Dentro desses quadros psiquiátricos, o transtorno de ansiedade generalizada ocupa um lugar de destaque.

E o que tem sido feito para solucionar esse problema? Com o aumento da ansiedade, tem crescido o aumento do consumo de ansiolíticos. Em pesquisa realizada no mês de maio em várias redes de farmácias do estado do Espírito Santo, constatou-se um crescimento de 40% na procura por esse tipo de medicamentos. Mas, seria essa a única solução?

Primeiramente, quero ressaltar que, o uso de medicamentos, não deve ser negligenciado, desde que, dentro de um processo de tratamento, acompanhado por um profissional especializado. Por outro lado, o uso indiscriminado de ansiolíticos a partir de orientações e pesquisas feitas no “Doutor Google”, é altamente perigoso e destrutivo.

Bom, para a sua reflexão, eu gostaria de colocar o que tem me mantido lúcido e preservado diante de toda a tensão do momento atual. Não é sobre não sentir ansiedade, mas, é sobre não tê-la como companhia mais próxima. É sobre não viver ansioso ou ansiosa.

Em minha casa somos em três. Eu, minha esposa e, nossa filhinha de 5 anos de idade. Ao longo desses mais de 100 dias de isolamento, todos nós em algum nível tivemos que lidar com a ansiedade. Decidimos inserir dois exercícios em nossa rotina: 1)- Exercício de uma Espiritualidade Saudável. Eu, como mestre em Ciências da Religião, aprendi ao longo dos meus anos de estudo que, todo ser humano é um ser religioso. Isso se desdobra em várias formas diferentes, mas, estamos constantemente atrás de transcender a nós mesmos. Em meu caso, encontrei na espiritualidade cristã, todas as respostas das quais eu vivia buscando. Uma delas diz respeito a ansiedade. A Bíblia, o livro da religião cristã, em uma parte escrita por Paulo, um seguidor de Jesus em sua época e, um dos maiores líderes cristãos na ocasião, escreveu o seguinte: “Não vivam ansiosos com coisa alguma; em vez disso, orem a Deus pedindo aquilo de que precisam e agradecendo-lhe por tudo que ele já fez. Então vocês experimentarão a paz de Deus, que excede todo entendimento e que guardará seu coração e sua mente em Cristo Jesus.” Filipenses 4:6,7

Ao invés de viverem ansiosos, exercitem a espiritualidade através da oração, do falar com Deus. E essa oração, de acordo com o Paulo, contempla “súplicas e agradecimento”. Isso é revolucionário contra a ansiedade, garanto a você! Desde que, eu comecei a “despejar” minha ansiedades em relacionamento real com Jesus e, concomitantemente, desenvolvi a gratidão por tudo o que Ele já fez em minha história, percebi que, gradativamente a ansiedade foi perdendo espaço. Te convido a experimentar.

Mas ainda, existe um segundo exercício, o de uma Intelectualidade Saudável. Você já parou para pensar na quantidade de “Fake News” você consome diariamente, e que, toma boa parte da sua concentração e reflexão? Quantas horas da nossa semana, no isolamento, gastamos lendo ou assistindo sobre notícias trágicas? Com isso, não estou propondo uma abstração da realidade, mas, um equilíbrio intelectual. Há tempo para tudo! Diariamente tenho exercitado isso. Há tempo para ouvir e ponderar sobre informações, há tempo para o lazer – assistir um bom filme, uma boa série, há tempo para trabalhar, para estudar. Precisamos manter nossa intelectualidade saudável. Isso também é revolucionário contra a ansiedade.

Então é isso. É possível sair desse isolamento e, ao olhar pra trás, encontrar momentos de ansiedade mas, ao mesmo tempo perceber que, você não foi consumido e destruído por ela. Exercite a espiritualidade e a intelectualidade de maneira saudável e, seja saudável.

Outros

Instagram

Twitter